PALÁCIO DOS BANDEIRANTES

No alto do Morumbi, na capital de São Paulo, está situado o Palácio dos Bandeirantes. Construído originalmente para sediar a Universidade Comercial Conde Francisco Matarazzo na década de 1940, o edifício foi adquirido, em 1964, pelo Governo do Estado, para abrigar a sede administrativa, a ser transferida do Palácio dos Campos Elíseos no ano seguinte. Em homenagem aos desbravadores do território paulista no período colonial, o prédio recebeu a denominação Palácio dos Bandeirantes.

O projeto arquitetônico inicial dos italianos Marcello Piacentini e Vittorio Ballio Morpurgo remonta a 1938 e previa linhas abstratas, colunas, muros lisos e ampla fachada. Posteriormente, o desenho foi modificado e executado com um estilo eclético, de linhas também neoclássicas, configurando a fachada atual.

Decisões importantes sobre a vida política e administrativa estadual são tomadas no local, cujos espaços são compartilhados com coleções de arte de representativos períodos históricos e artísticos da cultura nacional. O acervo proveniente do Palácio dos Campos Elíseos foi complementado com a aquisição de pinturas, esculturas, desenhos, gravuras, móveis, louçaria, prataria e tapeçaria, do século XVII ao XXI. Em 1977, o edifício foi aberto à visitação pública, assumindo sua vocação de palácio-museu, em paralelo às demais funções.

O percurso de visitação reúne e interpreta essas obras em seus ambientes, dispostas nos dois andares do prédio. A visita ao Palácio dos Bandeirantes é, portanto, uma experiência que congrega a história da arte e a história social e política brasileira, destacando o Estado de São Paulo.