Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo

Acervo

O Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo apresenta um panorama eclético, tanto do ponto de vista da diversidade de tipologias quanto de escolas artísticas e estilos que representam os períodos barroco, rococó, neoclássico, art nouveau e moderno. Cerca de 3.500 peças, entre mobiliário, louçaria, prataria, tapeçaria, equipamentos domésticos e obras de arte, de distintos materiais e procedências, convivem nesses espaços. Provenientes de diversas regiões do Brasil e do mundo, as coleções traduzem a memória social das ambientações das casas brasileiras e do colecionismo das primeiras décadas do século XX.

No início dos anos 1970, foi adquirida a maior parte do acervo de artes plásticas e de artes decorativas, por meio de leilões e compra direta dos artistas, colecionadores particulares, antiquários e galerias. Nas décadas posteriores, a política de aquisição privilegiou as formas de comodato, doação e concurso.

No Palácio dos Bandeirantes, as coleções expostas apresentam diversas categorias de acervo: no mobiliário (civil e religioso), mesas e arcazes do período colonial luso-brasileiro; na arte sacra, destaca-se a imaginária barroca dos séculos XVII e XVIII; na louçaria histórica e artística, os pratos brasonados e monogramados, além de peças da Companhia das Índias Orientais; nas artes plásticas, a produção modernista e contemporânea de esculturas, gravuras de temas sociopolíticos, fotografias de paisagem e pinturas de grandes dimensões de intenso impacto cromático, plenas de significados, que se adequam aos espaços generosos do prédio. Os retratos dos governantes, que testemunham a história política estadual, completam a coleção.

No Palácio Boa Vista, são encontradas preciosidades, como pinturas e esculturas de artistas brasileiros que marcaram os caminhos da arte moderna na primeira metade do século XX; objetos em prata, porcelana, louça da Companhia das Índias e tapetes convivem com o mobiliário civil e religioso, que apresenta uma seleção de peças de época e estilo colonial brasileiro, a exemplo dos bancos, arcas, arcazes, caixas e baús. Parte do acervo de arte sacra encontra-se no interior do edifício, com destaque para a imaginária brasileira, os oratórios, as alfaias religiosas, talhas e colunas antigas. Os objetos litúrgicos estão abrigados na Capela São Pedro Apóstolo, ao lado do palácio, projetada por Paulo Mendes da Rocha e inaugurada em 1989.